domingo, 13 de dezembro de 2015

Refletindo o conteúdo dos games....

Vou falar um pouco sobre o resultado do conteúdo dos games em relação a proposta inicial. Esse ano, diferente do primeiro experimento, eu queria que o conteúdo dos games (história, relação entre os personagens, argumento) fosse mais elaborada e tivesse algum propósito. Por isso eu coloquei o seguinte critério: nós devíamos evitar ou desconstruir alguns dos clichês narrativos de games, em específico os clichês do maniqueísmo, de salvar a princesa, e da falta de protagonismo feminino e negro nos games. Queríamos motivos interessantes para mover os personagens em sua jornada pelo s desafios dos games. Nesse aspecto, os resultados foram muito bons. Vamos à análise resumida:

Morgana e o sonho (Turma 11): os alunos vieram com a ideia de um mundo totalmente louco, surreal. Sugeri vermos pinturas surrealistas, e falei que elas lidavam com o conceito psicanalítico do subconsciente, e do acesso ao mesmo através do sonho ou da alteração de consciência. Algumas alunas fizeram questão que o personagem principal fosse uma mulher, e em uma das redações com ideias pro game surgiu o nome Morgana. Aqui também surgiu a ideia de que ela precisaria achar um artefato perdido para passar de um sonho ao outro. Legal que o resultado foi um game de plataformas e ação com uma protagonista feminina. não houve muita sexualização da figura dela também (quem criou o design de Morgana foi o Arthur, um aluno que cria desenhos de figurinos de moda, e se inspirou em parte na Lady Gaga). Curiosa a referência do nome na literatura, intencional ou não, Morgana é a irmã de Arthur, em As Brumas de Avalon, um romance que subverte as histórias de cavalaria colocando as personagens femininas em posição de protagonismo.

A maldição de Xabru (Turma 12): Os alunos vieram com a ideia de uma bruxa má. Lembrei eles sobre a questão do clichê maniqueísta, e nas redações apareceu a solução de que ela jogava a maldição no protagonista por que este havia matado todos os animais da floresta. Pronto, era o que precisávamos, e no final articulamos bem o conteúdo no game. Nosso quase anti-herói é um caçador que, por não ter piedade dos animais da floresta, é castigado pela bruxa: uma entidade protetora da floresta. Transformado em uma criatura estranha, ele busca por quebrar a maldição, e sente na pele o que é ser a caça (os demais caçadores passam a caçar-lo como um animal). Trabalhamos o maniqueísmo, e conseguimos colocar elementos da narrativa no "game play", ou seja: é jogando que você entende que você, antes caçador, virou também a caça.

CACO - Bio-exterminador (Turma 21): O Game que mais me deu trabalho na edição (mais de quinhentas imagens recortadas, editadas, e retocadas em editores de imagem). Tivemos bastante dificuldade vir com as ideias iniciais. Depois dos alunos definirem o gênero do game (um jogo de tiro com visão em diagonal superior) alguns alunos vieram com ideias de um game com temática de guerra, de conflitos armados históricos. Achei isso muito clichê para o gênero, e sugeri que fossemos mais criativos. Ao final, construímos essa narrativa (que é um pouco clichê) de um macaco ninja, que é também uma arma biológica, fruto de experiências de um geneticista ambicioso. Não tão original o objetivo é destruir o laboratório do cientista e libertar os animais (Como nos games Sonic). Apesar disso, o resultado também me agrada por essa característica de conteúdo ambiental e ética científica.

Alice - aventuras da internet (Turma 22): Engraçado que nesta turma, e com este game, foram as meninas da sala quem mais compraram a ideia da atividade, e que no final das contas mais protagonismo tiveram nas decisões e rumos para o game. Eles decidiram fazer um game estilo Mario, de pular em cima dos inimigos e sobre plataformas, mas com a princesa no lugar do protagonista. Ela deveria salvar o príncipe preso em um castelo. Alguém veio com a ideia da fase digital (dentro do computador ou mundo digital), e isso foi incorporado no argumento dela conhecer o príncipe pela internet. Sendo que ela só o conheceu a distância, nada garante que seu príncipe seja na realidade um sapo. Foi o único game em que nos apropriamos de um clichê para subvertê-lo. Foi também um bom resultado.

Arte Ataca (Turma 31): Poucos alunos realmente se envolveram com afinco no projeto, e foram estes que decidiram aluns detalhes primordiais, em especial o tema: o de uma pintora que entra nos quadros de pintores famosos e enfrenta desafios inspirados nestas pinturas. Eles mesmos que puxaram da memória nomes com os quais já tinham tido contato (a maioria na escola, no ensino fundamental): Da Vinci, Van Gogh, Tarsíla do Amaral, Picasso, e Salvador Dali. Levei livros com as pinturas dos artistas, xerox de algumas, e eles criaram personagens e rascunhos dos cenários a partir disto. Legal que nosso protagonista é uma pintora, e negra (apesar do cabelo ruivo). As escolhas desta turma também acabam dialogando diretamente com clichês para além do game: o suposto monopólio masculino do mundo da arte, em especial da pintura.

Suspício (Turma 32). Eles queriam um jogo de plataformas com tiro. Depois de várias ideias clichês, optamos por uma (não muito original também), de um personagem que misteriosamente acordava em um hospício amaldiçoado, com médicos loucos e criaturas diabólicas, salvando os demais internos presos naquele lugar. Foi no processo de produção que alguns alunos decidiram colorir o protagonista como um personagem negro. Apesar dos clichês, teve aqui um conteúdo legal de problematização desse tipo de instituição (que passaram a ser vistas como depósitos de pessoas de pouco tempo para cá). Coincidência ou não, há aquela piadinha já batida de Hollywood de que em filmes de terror o personagem negro sempre morre. No nosso game de terror ele é o protagonista, e depende do jogador fazer com que ele chegue vivo até o final.

De maneira rápida são alguns dos pontos principais que me ocorrem. No geral, a experiência foi bem sucedida, com tropeços metodológicos no meio do caminho, o que era esperado visto a pouca referência de experiências similares.









quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Os 6 games finalizados...

Foram 4 meses de árduo trabalho dos alunos, e muitas horas de meu empenho em casa, editando e inserindo gráficos e sons que os alunos produziam nos jogos (além de planejar e executar a metodologia que fazia as cosias acontecerem). Esse ano os games saíram bem mais elaborados e polido que no ano passado, com mais detalhes gráficos, personagens ,animações, cenários, e level design mais elaborado e com planejamento. O conteúdo também foi bem mais trabalhado: o critério de partida foi realizar games que fugissem ou problematizassem alguns clichês na narrativa de games destes gêneros: o maniqueísmo, a falta de protagonistas femininos e negros, e o clichê de cavalaria do herói que salva a princesa. Sem mais delongas, os games produzidos pelas turmas de ensino médio da E.E.M. Acácio Garibaldi São Thiago, da Barra da lagoa:

Clique sobre o nome para fazer o Download do game (funcionam apenas em plataformas windows). Games em Formato Zip, descompacte el qualquer pasta e leia o arquivo "Leia-me".txt.

Turma 11 - Morgana e o sonho


Jogo de ação com plataformas. Ajude Morgana a superar os desafios de um mundo surreal e fantástico. Ações do personagem: Pular, defender (escudo), e atacar. Pegue os filtros dos sonhos para evoluir seu ataque. Encontre o artefato místico perdido pela fase para abrir o portal dos sonhos e seguir para o nível seguinte. 5 fases, 5 chefes de fase.
____________________




Você é um caçador em um mundo tribal, tão cheio de sí e de suas habilidades de caça, que acabou extinguindo os animais de uma floresta inteira. Como castigo a bruxa protetora daquela floresta lança uma maldição: você é transformado em uma criatura monstruosa. Saia em busca da cura para reverter a maldição. Jogo de plataformas com ação, pule e ataque inimigos, pegue powerups para mudar o tipo de ataque do personagem. 6 fases, 6 chefes de fase.
_____________________




Caco é um macaco mutante, uma super arma desenvolvida por um geneticista especialista em transgênicos. Tomando consciência de si, caco está agora fora de controle, e deseja libertar os animais presos no laboratório, assim como obter vingança de seu criador. Jogo de ação com vista superior, ande e ataque inimigos com seu ataque primário (cascas de bananas infinitas) e ataque secundário (bomba atômica, limitado). 5 fases, 5 chefes.
_____________________




Alice é uma menina criada na base de Disney. Ela conheceu um príncipe pela internet, e agora saí em uma jornada de salvar o tal príncipe. Que será que acontece no final? Jogo no maior estilo Mario, ande pelos cenários, pegue itens, pule plataformas e pule sobre a cabeça dos inimigos para atacar-los. 8 fases e 4 Chefes.
_____________________


Turma 31 - Arte Ataca


Uma jovem pintora se propõe ao desafio de mergulhar nas obras de pintores famosos, compreender a essência de suas pinturas, e alcançar o sucesso, fama e glória do grande cubo branco. Passe por fases de plataforma, ataque inimigos surpreendentes, e alcance a maestria em sua arte. Jogo de plataformas com ação. 5 fases, 4 chefes.
_____________________


Turma 32 - Suspício


João é um sujeito que curte sua balada de boas, até que um estranho lhe oferece uma pílula e ele se vê despertando dentro de um hospício amaldiçoado. Avance pelas fases e salve outros internos que lhe darão powerups que melhoram seu ataque (soco< 38< escopeta), e destrua criaturas bizarras e assustadoras. Game de ação com plataformas e tiro, 5 fases e 5 chefes.
_____________________

Um agradecimento especial:
- A minha companheira Ju
- Ao autor do ARGS Bruno R. Marcos: www.bruneras.com
- Ao compositor DST que disponibilizou suas músicas de forma livre: http://dreade.com/nosoap/
- Aos alunos que participaram com empenho na atividade.